terça-feira, 19 de junho de 2012

O que meu filho vai ser/ouvir quando crescer?

Atenção: Este texto contem alto índice de esteriótipos. Não o leve tão a sério e nem para o lado pessoal! 

Muito antes de imaginar a existência do Felipe eu já me pegava pensando em como lidar quando eu tivesse filhos e eles gostarem de estilos musicais que eu não gosto ou vice-versa. Preocupação boba mas que já rendeu muitas conversas engraçadas com minha irmã, mãe e marido... 
E se o Felipe crescer e resolver ser "moleque piranha"? hahaha  E se ele quiser montar uma banda de forró? E se ele montar uma dupla de sertanejo universitário: Kauan e Felipe, Felipe e Fabricio? E se esse tal de 'Arrocha' tiver na moda quando ele for adolescente? E se algo pior estiver na moda? Oh Deus, como fazer? Será que se eu ficar ouvindo muito CD's da Legião, muita MPB, muito Rock Clássico, será que ele vai crescer gostando do que sempre ouviu em casa? Acho que a princípio isso resolveria mas e quando ele entrar na escola e começar a gostar do que os coleguinhas gostam? Pronto, tudo foi por água abaixo. E se ele se tornasse aqueles meninos que usam colar de cocô, meia lá na canela e ouvem funk pelo auto-falante no fundo do ônibus? kkk Ok, peguei pesado agora, afinal, mesmo que o Felipe se torne um funkeiro, pagodeiro ou qualquer outra coisa, eu o educarei para que ele não invada o espaço dos outros com suas músicas...
À princípio ele tem uma coleçãozinha de CD's que eu aprovo e na verdade escuto por ele... hehe 
A verdade é que amigos, família, época, ideologias(ou a falta delas) e tudo que está ao nosso redor influenciam a formar nossa personalidade, nossos gostos...  A verdade é que se ele herdar meus gostos musicais eu vou adorar, mas isso não acontecer, nada mudará na nossa relação, mas vou sempre continuar tentando! ;)

2 comentários:

  1. Natália, Amei esse texto!
    Parabéns pelo BLOG.
    Beijão

    Tia Néia

    ResponderExcluir